segunda-feira, janeiro 01, 2007

Dia Nac. da Consciência Negra

RAÇA HUMANA

Translúcida pele...

O que é o negro,
senão amálgama de todas as cores?

O que é o coração
além de músculo vermelho?

O que é raça,
diante d'alma humana?
Qual é a cor do sentimento
no prisma de uma vida?

Gnomo Rosado: isso também vale para mim, que sou cor-de-rosa, com algumas pintinhas vermelhas?

Beijinhos.

4 comentários:

  1. Marco Aurélio disse...
    Madalena

    No Dia Nacional da Consciência Negra gostaria aproveitar para denunciar o tipo de barbaridades que a Petrobrás tem incentivado. Já ouviu falar no“filme”

    Manual Para Atropelar Cachorros

    O protagonista deste “filme” de noite, para “relaxar”, atropela cachorros. Como a Petrobrás tem a covardia de patrocinar uma barbaridades dessas !? Mandei um e-mail de repúdio para a Petrobrás. Se puder faça o mesmo. Obrigado

    Marco Aurélio

    12:16 PM, Novembro 20, 2006

    ResponderExcluir
  2. joesio disse...
    É triste ver, em pleno século XXI, qualquer tipo de preconceito, de discriminação, principalmente a racial. Não fosse essa nódoa irracional na sociedade, não haveria a necessidade de se criar um "Dia Nacional da Consciência Negra" com o intuito de mostrar que eles, os negros, não têm culpa de termos nascidos com a pele mais clara, e que por isso não são culpados pelos nossos fracassos.

    4:27 PM, Novembro 20, 2006

    ResponderExcluir
  3. Ana Gabriella disse...
    Madalena, sou aluna do Joésio Menezes. Fico muito grata por ter gostado da minha poesia "Big Bang". Da mesma forma que eu gosto de passar as sensações do estar poético. Vejo que você consegue resgatar também essa magia pessoal. E no caso essa sua considerada salada de letras, além de me alimentar fantasticamente. Faz servir também uma prova da sobremesa, em que a satisfação de contar com trabalhos maravilhosos como os seus deixa a mimha vida mais doce.

    2:46 PM, Novembro 21, 2006

    ResponderExcluir
  4. Luiz de Aquino disse...
    Preconceito é ocupação de quem nada tem a fazer - como se nada houvesse a aprender, a amar, a descobrir e a criar. Sou negro alvacento, verde e ocre, rosa e marrom. Gosto das cores e das nuanças, das nuvens brancas (brandas?) que fazem do céu uniforme colegial, e gosto das plúmbeas, que trazem chuva e fartura. Gosto de olhares, venam de qualquer íris, e de sorrisos tão amplos quanto os horizontes. Preconceito? Nenhum! Apenas uma raiva mórbida dos que acreditam que a ignorância é mérito.
    Beijos, Poeta!
    Luiz de Aquino (de Goiânia)

    6:43 PM, Novembro 26, 2006

    ResponderExcluir

Plante um moranguinho com seus comentários. A Magalena e sua turma responderão por aqui, ou, diretamente em seus blogs. Obrigada.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...