sábado, janeiro 26, 2008

Ora batatas! “Feira livre” paulistana – parte 1/2

Magalena: olá! Nesta sexta-feira última, dia 25 de janeiro, comemorou-se o aniversário de minha cidade de 454 anos! A metrópole resiste firme em seu mar de concreto, violência e tudo o mais que insiste em lhe fazer mal, porque o bem não esmorece e tudo que há de bom neste chão paulistano vence todos os dias através de seu povo, que abraça todas as raças. Não são as calçadas esburacadas ou o trânsito de deixar qualquer um maluquinho, ou a falta de segurança que vão nos impedir de mantê-la viva e atuante através de seus centros culturais, museus, como o da Língua Portuguesa, teatros, shoppings e parques, como o do Ibirapuera, o da serra da Cantareira e outras belezas mais! Parabéns Sampa!

Salamandrita: oh, a metrópole parou neste dia de feriadinho para respirar, mas aqui no Morango, nós continuamos colocando combustível para que, pelo menos as letras da cidade, continuem esquentando. Por isso, eu pedi à Magalena que publicasse sua crônica sobre as atuais feiras paulistanas, que hoje em dia acontecem em sua maior parte nos supermercados, o que é lamentável, porque há poucas feiras de rua e a balbúrdia que elas ainda causam é algo explosivo. Adoro quando os feirantes gritam: “olhaaaaa laranjaaaa”, “pêssego mel, pêssego meeeeel” com uma frase mais curiosa do que a outra. Isso sem falar que na feira você faz um lanche delicioso, porque eles lhe oferecem pedacinhos de frutas que vieram direto do entreposto para o feirante. Já, nos supermercados, a maioria das frutas e hortaliças fica na geladeira!

Magalena: assim é São Paulo, quanto mais movimentada e aquecida... Melhor! Nos dias de feriado, fica tudo muito bom e calmo, mas... Lembra-me a tal geladeira dos supermercados: fria e solitária. Se quiserem passear por uma feira de supermercado e descobrirem como se faz uma guerra de tomates, leiam esta primeira parte da crônica, que publicarei em dois capítulos:

ORA BATATAS! “FEIRA LIVRE” PAULISTANA
Capítulo 1/2

Uma batata bolinha rolou pelo piso de lajotas brancas e foi parar na ponta do sapato preto de bico fino de dona Magdalena, que a fez deslizar além do passo necessário para alcançar as cebolas. Suas mãos acostumadas a legumes, apoiaram-se no monte das cebolas ao lado dos sacos de batatas e ela conseguiu deter a queda. Voaram cascas secas de cebolas para todos os lados. A moça de jeans começou a espirrar – tinha rinite; o idoso do outro lado da banca de cebolas teve as cascas grudadas na jaqueta felpuda de lã. Dona Magdalena deu um passo para trás e teve o traseiro atropelado por um carrinho de alguém que cruzava a feira com pressa.

- Oh, sua desajeitada! Nada. A mulher já estava do outro lado da feira escolhendo tomates.

- Cadê meu carrinho?! Alguém levou embora achando que era dele. Claro, as batatas em oferta especial fizeram todos os carrinhos parecerem iguais. A cliente respirou fundo e recomeçou a feira com outro carrinho. Mais batatas. Em casa dela todos gostavam de batata frita, cozida, assada e de todos os jeitos. Enquanto isso, o rapaz do microfone anunciava as ofertas sem parar deixando qualquer um zonzo.

- Aiiiiiiiiii!! Oras, seu... A oferta do abacaxi pérola acabara de deixar marcas no seu braço. As serrinhas das folhas desse tipo de abacaxi cortam como faca afiada. - Mais um pouco de paciência. Pensou dona Magdalena. Só faltam os tomates e as abobrinhas.

Vermelhos e robustos em um monte alto, onde não se viam as pessoas do outro lado da banca, estavam os tomates maduros que o rapaz do supermercado havia acabado de colocar.

- Será que levo uns três quilos de tomates? Estão tão bonitos! Dizia dona Magdalena hipnotizada por eles, até que foi atingida por um tomate podre bem em cheio na blusa branca. O bólido viera do outro lado do monte. E apareceram mais tomates voadores. Alguém que estava escolhendo do outro lado jogava para o alto aqueles tomates que não lhe agradavam.

Aquilo foi a gota da batata!


Continua no próximo post...

Beijinhos

7 comentários:

  1. Linda Madalena!
    Adoro os teus escritos, amo de paixão!!Vou esperar a continuação desse conto!!
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi magalinda, passei pra te ler, e rever as criaturinhas mágicas.
    Vc tem recebido meus e-mails?? Lembra de um que vc dizia publicar alguns textos meus em um site de uma amiga sua? Me parece que era Vania o nome dela, lembra? Pois bem, eu te escrevi autorizando a publicação, mas nem sei se vc recebeu.
    Me escreve:
    tatapoeta@yahoo.com.br
    Bjão querida!
    Lu Cavichioli

    ResponderExcluir
  3. Este vento que sopra nos brandais
    Leva de arrasto a minha alma
    A proa estende-se adiante na vaga
    Olhar de garça o meu coração acalma


    Boa semana


    Mágico beijo

    ResponderExcluir
  4. Olá amiga...gosto dos teus textos, virei de novo pra ler a continuação do conto. abração, que a força e a fé esteja contigo

    ResponderExcluir
  5. hahaha! Os tomates voadores estão ótimos. Vou ficar de prontidão para a continuação do texto.

    ResponderExcluir
  6. Queridos amigos e leitores - eu adorei seus comentários, que são um incentivo maravilhoso para esta Magalena! Logo responderei separadamente para cada um. Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Letícia, hum e eu que sou fã de seus contos de terror, que é parte importante do gênero fantástico, estou aqui dando pulinhos de alegria junto com minha turma de criaturas fantásticas pela sua apreciação. Beijos, querida e muito obrigada!

    Querida Lu, já lhe escrevi via e-mail. Puxa, eu não havia mesmo recebido sua mensagem... Muito obrigada por me avisar e pela sua gentileza e alegria que me proporciona, em saber que você será lida por mais leitores que adoram o mundo da fantasia, onde você atua com talento e perspicácia. Aqueles que acham que a fantasia é simples... Enganam-se, pois lá é verdadeiro berço dos enigmas... Beijos, amiga muito querida!

    Profeta!!! Você voltou... E eu que “chorava” o sumiço de seu blog! Muito obrigada por ter aparecido com palavras poéticas e das quais eu já estava mortinha de saudades. Beijos.

    Rodrigues, salve poeta!! Obrigada pela sua presença amiga. Logo vou ao seu lindo e instrutivo blog. Beijos.

    Plínio, oh... Os tomates me alvejaram de fato e isso não é fantasia! Hehehehe! Obrigada pela sua presença, que sempre é um incentivo e grande prazer em receber o editor do site Leia Livro em meu bloguinho. Beijos e obrigada!!!

    ResponderExcluir

Plante um moranguinho com seus comentários. A Magalena e sua turma responderão por aqui, ou, diretamente em seus blogs. Obrigada.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...